RSS

Arquivo da categoria: Geral

ARCA – Um núcleo de competitividade – Uma Tese para Eleições 2018

Existe este núcleo de nome ARCA , que discute a competitividade do Brasil( ou a perda quase irreversível dela nos últimos anos) , no âmbito de país , segmentos da economia e das empresas sejam de industria , serviços ou agronegócio, e eu tenho a honra de fazer parte dele.

Em breve vou compartilhar mais discussões sobre isso , mas hoje , nossa reunião, que ocorre sempre sob o guarda chuva do Instituto de Engenharia em São Paulo , desenvolveu uma tese que é oportuna, dada a vindoura eleição de 2018 para presidente , governadores , congresso e assembleias estaduais. Queremos repercutir esta tese .

Tese sobre o encaminhamento da apuração do resultado das eleições:
1. O histórico do desempenho da empresa venezuelana contratada para apurar o resultado das eleições levanta
suspeitas de sua credibilidade e idoneidade e a representatividade do resultado consolidado;
2. O tempo até a eleição é insuficiente para substituir a empresa;
3. A análise de consolidação da credibilidade do sistema deve ser dividida entre a empresa e o processo, buscando
reduzir as vulnerabilidades inerentes;
4. Os resultados dos testes de segurança feitos em 2017 não cobrem os aspectos mencionados acima, como um
conjunto único e integrado;
5. Há tempo suficiente para implantar um sistema de auditoria de sistemas, independe e suficientemente amplo e
redundante que garanta a efetiva representatividade do resultado;
6. A confiabilidade depende da auditabilidade a qualquer instante;

O que acha ?

Marcos C Ribeiro

 
2 Comentários

Publicado por em 02/03/2018 em Contexto, Geral

 

Tags: , ,

Desabafo de 5a feira de Cinzas !!

Me impressiona o fato de mesmo depois de tantas frustrações , altos e baixos da economia , a já conhecida falta de produtividade brasileira , ainda vemos diariamente na imprensa falada e escrita , desde ontem , 4a feira de cinzas , que agora sim o Brasil começa a andar. Isso me parece um auto engano coletivo permanente . Senão vejamos:
No mundo inteiro nas férias de verão existe um número razoável de pessoas que faz um recesso planejando e calculado de seus trabalhos , seja CLT , Empreendedor , autônomo . Coincidentemente no hemisfério sul isso ocorre no início do ano calendário e próximo de festividades de Natal e Ano Novo. Nada demais.
Enquanto muitos saem de férias , muitos , mas muitos mais ,permanecem trabalhando em suas atividades e eventualmente até em busca de nova colocação de trabalho. A vida continua.
Portanto salvo férias forenses , férias de políticos frouxos no congresso, de alguma casta privilegiada ainda herança do Brasil das capitanias hereditárias, não parou não !!
A unica coisa que ainda pode ser considerada um evento cheio de segundas intenções é realmente o Carnaval , 2 dias úteis semi inutilizados por uma festa sem freios que dá a impressão de ser um divisor de águas. Falácias à parte , sim , mesmo sem ser feriado o Carnaval derruba a produtividade das pessoas e da economia , e empobrece o país mias um pouco a cada ano , ainda assim é um business que no mínimo para turismo transfere renda de outras atividades e até do exterior para a terra do samba .
Só isso !!
Lembrando uma das músicas que evocam este falso espirito brasileiro e do controverso Chico Buarque : ” Vá trabalhar vagabundo , vá trabalhar criatura ! ”

Marcos C Ribeiro

 
2 Comentários

Publicado por em 15/02/2018 em Contexto, Economia, Geral

 

Tags: , ,

A Lei da entropia e Gestão de Negócios e Empresas

A lei da entropia vem da termodinâmica e está relacionada a energia trocada interna e externamente ao sistema em uma mudança definitiva de estado ( exemplo clássico do derretimento de uma pedra de gelo em seu novo estado de líquido e eventual energia necessária , externa para que retorne ao estado sólido , mas nunca mais pela outrora existente energia interior ).
Para outras áreas de estudo esta mudança de estado se refere por vezes ao senso comum de desordem .
A lei da entropia na gestão de negócios ou empresas , mesmo estatais , sugere que toda organização esgota sua energia inicial (interna) em uma crescente desorganização , desordenamento das coisas, que no caso de empresas multinacionais na interferências crescente da matriz na subsidiária , ou no caso das estatais pelas interferências político partidárias . (veja caso Embrapa na FSP de 24.01.18 por A Delfim Neto )
Para evitar o efeito da entropia ( inércia paralisadora por exemplo), eventualmente tentar revertê-lo , ou criar alguma resistência à sua inexorabilidade, há que se criar nova energia , na maior parte das vezes externa ( injeção de capital, restruturação, ou até um reinvestimento interno em mudanças de fundo e de fôlego como programas consistentes e de coerência de longo prazos como capacitação interna para excelência de gestão ). Logo se depender de aporte de capital da matriz no caso de multinacionais ou dinheiro de orçamento de governo o destino da chamada “maldição entrópica” é praticamente certo . Esta maldição no caso de empreendimentos estatais está no seu DNA e ainda não surgiu remédio genético eficiente .

No caso de subsidiárias de multinacionais por vezes o resultado final é o nível de obsolescência atingir o tempo de encerramento de atividades , não antes de varias restruturações e downsizing.

 

Tags: ,

Reflexões de Final de ano !

Reflexão de final de ano ! Mais uma !

É comum dizerem que a vida é feita de escolhas. E destas há que se responsabilizar pelas suas consequências. Isso é uma verdade , mas não completa . Ainda assim cabe sempre a possibilidade de nos arrependermos das escolhas feitas , em algum tempo , e até nos arrependermos de escolhas feitas no futuro , porque ainda não vimos motivos de arrependimento ! O fato é que o arrependimento amplia a possibilidade do perdão e o perdão amplia a possibilidade da reaproximação , reconciliação, renovação, e outras formas de ressurreição . Sim nascer de novo !
A questão então então é como lidar com escolhas feitas pelos outros , das quais não participamos e nem fomos , digamos , envolvidos no processo da decisão e da escolha, mas que nos afetam , nos trazem consequências diretas e indiretas . Não nos dá o direito de mudar as escolhas, nem de não aceitá-las , porque estão feitas e se tornaram fatos.
Creio que este ponto é uma complexidade significativa da vida de cada um e não tem sido tratada devidamente porque estamos no tempo da individualidade , do direito das escolhas e assim do direito de uma parcela da liberdade. Aquele limite da minha liberdade que impõe considerar o outro não está sendo lembrada. Em parte alguma do mundo , da sociedade e das suas células mais ínfimas.
Não me isento do processo mas por agora me imponho a reflexão. Sofro com algumas escolhas feitas pelos outros que me afetam e nada posso fazer mas somente me conformar e conviver com elas . Faço sofrer aos outros por escolhas que fiz, não talvez , mas certamente por não ter levado nada disso em consideração.
Sim , a vida é feita de escolhas , e todas elas trazem e trarão alguma consequência. Ainda assim penso que o exercício da misericórdia , e do perdão serão sempre a unica solução para todas as consequências desagradáveis e não pensadas. Por isso a misericórdia é um dom divino e o perdão o exercício de nós exigido em qualquer tempo e em “quase” qualquer religião.
Sim , a vida é feita de escolhas e cada vez escolhas mais complexas .
Feliz Ano Novo !

 
1 comentário

Publicado por em 23/12/2017 em Filosofia, Geral

 

Tags: ,