RSS

Arquivo da tag: Desenvolvimento Humano

Reflexões de Final de Ano – Ou seria de Ano Novo

O que me incomodou novamente neste final de ano , na perspectiva do novo ano , foi pensar nos conceitos que temos, ou deveríamos ter, de tempo , ao menos mais presentes em nosso dia a dia .

Já diria Gilberto Gil : ” Se oriente rapaz , pela rotação da terra em torno do sol !” – Bem este é o Cronos , famoso e cotidiano que em postagem recente no FB e LinkedIn Carlos Drumond de Andrade comenta ” quem teve a ideia de cortar o tempo em fatias , a quem deu o nome de ano foi um indivíduo genial .”

Este tempo nos prende ao relógio e ao calendário , às agendas , e a perspectivas de renovadas esperanças a cada 365 dias (às vezes 366) , mas carregadas de planos e perspectivas e planejamentos e projeções , cálculos que, por vezes, aumentam nossos sentimentos de vitórias ou frustrações no novo ciclo. Por isso, o contra ponto de Ruben Alves também postado , claro que depois de algumas décadas de vida e carregado de reflexões de vida e filosofia nos disse : “Já não tenho tempo … não quero ver os ponteiros dos relógios …meu tempo tornou-se escasso …” como se o tempo tivesse algo mais que o Cronos a ser considerado . Sim, as jabuticabas chupadas até o caroço … “o essencial faz a vida valer a pena.” Cronos é o tempo Quantitativo e sempre será até que a relatividade de uma perspectiva além, talvez na sincronicidade de um universo ou plano, desconhecidos, nos mude a referência da quantidade de horas, dias , meses e anos.

De outro lado , ainda que involuntariamente, Caetano Veloso em sua oração ao tempo coloca muito bem que o ” compositor de destinos e tambor de todos os ritmos , é tão inventivo e parece contínuo e portanto é um dos deuses mais lindos..” diz ainda ” prazer legítimo quando o tempo for propício ,… acredito ser possível reunirmo-nos em outro nível de vínculo…” . que tempo fala Caetano senão um tempo que não é Cronos ? Seria o tempo oportuno , momento certo , mesmo que medido no Cronos , transcende em significado. Daí se chamar também Kairós o tempo de Deus . Este é um tempo Qualitativo.

O tempo de Deus tem duas menções chave na Bíblia . A primeira em Eclesiastes 3:1 ” Há um momento certo para tudo , um momento para cada atividade debaixo do céu .” Outra : “um dia para o Senhor é como mil anos, e mil anos como um dia” (2 Pedro 3:8).

É neste tempo qualitativo que cabe considerar as novas opções de Ruben Alves como ” caminhar perto de coisas e pessoas de verdade , desfrutar deste amor absolutamente sem fraudes ..” ou como Caetano , ” de modo que meu espírito ganhe um brilho definido , e eu espalhe benefícios ” … assim seja ?!

Aprendi então a 3a dimensão do tempo para considerarmos , o AIón , de Platão , a imagem móvel da eternidade , essencial , para mim uma expressão da eternidade prometida e essência da eternidade de Deus . Dualismo entre mundo inteligível e mundo sensível . O tempo como uma aparência mutável e perecível de uma essência imutável e imperecível – eternidade. É o tempo que pode ser rápido quando tem muito o que fazer e está envolvido, ou passa devagar porque é entediante ou está simplesmente comtemplando o belo .

Daí não poderia deixar de lembrar de Santo Agostinho , subjetivo e filosófico mas base para psicológico. Os tempos são três: presente das coisas passadas (memória – sentimentos e o que carregamos no consciente e inconsciente e afeta nossos comportamentos e decisões), presente das coisas futuras (sonhos e planos para ano novo) e presente das coisas presentes(quase efêmero pois em poucos minutos fica no passado).

Então , no final deste ano , reforcei minhas convicções que aqui compartilho com quem conseguiu chegar ao fim deste texto :

O Cronos sim nos aprisiona e por muitas questões sociais não podemos nos livrar de todo , logo vamos conviver com ele de forma leve , a mais leve possível e menos estressante possível e com o uso do tempo do eu , com meditação e contemplação ( mesmo caminhando no parque !) . Neste estado, nos sentimos íntegros e equânimes, proativos em lugar de reativos, e confiantes ao invés de hesitantes ou apreensivos. Quanto mais praticamos exercícios desta natureza, mais nos tornamos aptos a estruturar o tempo e viver na sincronicidade. ( 4a conceito do tempo na antroposofia) .

Que todos saibamos fazer o nosso tempo em 2022 e sempre um tempo oportuno ! Kairós . No meu caso também , e te convido , Em sincronia com a vontade de Deus que também por definição é Amor ! Ágape! porque a melhor definição do amor perfeito de Deus , o Senhor do Kairós está em I Cor 13 onde Paulo escreveu e te convido a ler no tempo oportuno , porque a essência eterna Aión se expressa : ” Três coisas ,na verdade , permanecerão : a fé , a esperança e o amor , e a maior delas é o amor. “

A fé e a esperança nos movem para o futuro sempre e votos de Feliz Ano Novo com renovação da Fé por dias melhores e esperança neste porvir não faltam .

O amor , ágape , é o que pode de fato promover na sociedade a concretização do porvir esperado com fé e este Amor é eterno é a essência do Deus e é eterno, logo, Amor é Kairós e está no Aión !

Feliz Ano Novo e assim seja ! abraços

Marcos C. Ribeiro

Ref : Oração ao Tempo – Caetano Veloso

Oriente – Gilberto Gil

O Tempo – Carlos Drumond de Andrade

O tempo e as Jabuticabas – Ruben Alves

 
Deixe um comentário

Publicado por em 30/12/2021 em Filosofia, Geral

 

Tags: ,

Opinião Publica não se delega mas se constrói e se compartilha sempre !

Sei que é cansativo acompanhar os acontecimentos em nossa volta. Tenho visto muita gente que passa a não ler mais noticiários impressos , digitais , nem assistir/ouvir programas de notícias e debates na TV ou no rádio. De certa forma entendo que os agentes de notícias e comentaristas cansam , seja por serem repetitivos , por serem superficiais e por serem por vezes ( não todos) deliberadamente enviesados na opinião / narrativa com claras pretensões de influenciar a opinião dos desavisados ou sem condições de refletir sobre o tema.

A desinformação , mesmo que seletivamente escolhida te tira o direito de ajudar a formar a verdadeira opinião publica. Nós que sabemos ler e interpretar textos, estabelecer correlações com cenários e portanto tirar conclusões que chamamos de opinião pessoal , somos os maiores responsáveis por construir uma opinião publica verdadeiramente útil e possível. Não a opinião publica , assim chamada ,pela imprensa em todas as mídias , e não a opinião publica , assim chamada , pelos políticos de qualquer instancia para justificar posições ambíguas e dúbias e seguir somente cuidando dos seus próprios interesses ( salvo raríssimas exceções !)

Não se aliene e forme a sua opinião e depois compartilhe a mesma com os seus próximos . Assim se forma a verdadeira opinião publica que pode influenciar e modificar os destinos desta pobre nação !

Agora , se você é profissional em empresa , empreendedor , dirigente de negócios , sua obrigação é se manter atualizado sempre não só para ter informação para melhor tomada de decisão . Mas também para poder compartilhar sua opinião em todas as esferas de negócios e assim poder influenciar positivamente a formação da verdadeira opinião publica também no ambiente de negócios que vai alem de seus próximos. Não se omite mais . Esta coisa de que não se discute economia, política e questões sociais nas empresas é um equívoco. Também nas empresas podemos desenvolver a habilidade de bons debates , educadores e esclarecedores e com isso ganhar em maturidade organizacional . A empresa só ganha com isso também. Mas você e seus colegas ganham mais , certamente !

Marcos C Ribeiro

 
2 Comentários

Publicado por em 11/08/2017 em Contexto, Filosofia, Geral

 

Tags: , ,

Desenvolvimento de Competências e um Plano de Desenvolvimento Individual – Conceitos e convicções.

Aos colegas que desenvolvem um PDI (Plano de desenvolvimento Individual) que não é uma mera lista de treinamentos em cursos formais! (1)

Uma conceituação atual, moderna e correta no meu ponto de vista segue abaixo com suporte também de algumas matérias recentes publicadas  , entre elas Carlos Hilsdorf, Eugênio Mussak , Luiz Carlos Cabrera, Vick Bloch  e outros :

Uma colocação muito simples é justamente definir competência como “naquilo que sou bom”, mas do ponto de vista do outro! Naquilo que os outros reconhecem e declaram que sou bom!

Mas esta simplicidade não é suficiente para um trabalho individual e ou coletivo, operacional e ou estratégico, no que se refere a necessidades presentes e futuras do indivíduo e ou da organização.

Para o sociólogo francês Philippe Zarifian, competência é “tomar a iniciativa e assumir a responsabilidade diante das situações profissionais com as quais nos deparamos. Consiste em um entendimento prático de situações, que se apoia em conhecimentos adquiridos e os transforma à medida que aumenta a diversidade de situações”.

Competência pressupõe uma ação que faça diferença onde for aplicada! Portanto agrega valor diante de novas situações, nos processos e nas decisões.

Assim, podemos compreender a composição do conceito de competência, através de critérios objetivamente mensuráveis, como o exercício proativo e simultâneo de:

1.Saber conceitualmente (qualificação) – conhecimento
2.Saber fazer (experiência funcional) – habilidade
3.Saber agir (capacidade de obter resultados) – atitude

Portanto, competência pode ser entendida como uma ação fundamentada e assertiva frente a novos desafios! Esta ação dever agregar valor econômico para a organização e social para o indivíduo. Competência é um potencial disponível para enfrentar os desafios futuros.

Competência é a qualidade de ser adequado e bem qualificado física e/ou intelectualmente frente a desafios. É a capacidade de tomar decisões bem informadas e coerentes. Contempla grupos de habilidades, atitudes e conhecimentos necessários para a realização eficaz de tarefas. Refere-se a ações e comportamentos identificados pelas lideranças como efetivas contribuições na implementação da mudança; estes comportamentos são necessários para um desempenho satisfatório ou excelente em qualquer desafio profissional.

Por isso é possível medir tecnicamente em testes especialmente desenvolvidos para isso e com excelente grau de precisão.

Por isso também todo resultado não tem certo ou errado, mas somente um retrato de momento para desenvolvimento de um plano, que foque a evolução do indivíduo no desenvolvimento de competências, em qualquer tempo, idade e momento de vida.

O conceito de competências no RH e no desenvolvimento de pessoas e organização cresceu em uso e conceituação a partir dos anos 70 com saltos interessantes nas décadas de 80 e 90 e estas evoluções permanecem válidas e validadas.

Um acréscimo do início do século XXI veio com Eugênio Mussak que acrescentou conceito adicional de Meta Competência para aquilo que vai além do mensurável normalmente e contempla alguma capacidade individual e específica para superar a normalidade com, por exemplo, algumas características que seriam um turbinamento das competências. Exemplo na conjugação com alguma inteligência superior a média (digo alguma, pois hoje a inteligência já está sendo estudada em mais de 10 inteligências ou segmentos diferentes !) Diferencial Meta também seria a componente de entusiasmos , paixão , intuição adicionadas as competências deste indivíduo. Ouso dizer que o crescimento do nível de consciência do indivíduo na práxis do pensar e fazer e vice e versa é uma Meta Competência.

A atitude de ampliar continuamente suas competências será sempre a maior competência de todas elas e inclui disposição, vontade, disciplina, persistência,  mas depende fundamentalmente de auto motivação para o auto desenvolvimento (auto gerenciado no tempo!), e ambos os fundamentos dependem do autoconhecimento.

Por isso o desenvolvimento de competência é possível, necessário, desejável. Não para o presente somente, mas para o futuro de cada um e onde quer que estejamos atuando! Não tem limite de idade e não precisa parar na aposentadoria!!

O Coaching tem o papel de suportar e facilitar o entendimento, o autoconhecimento, a montagem do PDI e seu monitoramento até que o autogerenciamento e o autodesenvolvimento estejam incorporados no indivíduo.

É por isso que a distinção entre Coaching, Mentoring e Tutorial é importante, mas isso fica para outra ocasião!

Se precisar de algum esclarecimento é só perguntar!

Vamos em frente!!!

Marcos C. Ribeiro

 

PS: texto desenvolvido para orientar e motivar gerentes e diretores de uma multinacional em um amplo programa de desenvolvimento de competências individuais na direção de competências organizacionais estratégicas definidas quando o Plano Estratégico de cinco anos incorporou definitivamente a componente de pessoas (Recursos Humanos naquele tempo!) como fundamento estratégico para o Sucesso do negócio. Serviu de base conceitual para desenvolvimento de atividades de Coaching e Mentoring que fazem parte do meu cotidiano desde então.

(1) O tom crítico ao longo do tempo de confirmou oportuno e permanente dado que a maioria dos processos de avaliação de resultados e competências das empresas acabam em um PDI formalizado e registrado no RH que não passam de uma lista de cursos formais e algumas atividades “on the job”, o que limita sobremaneira a possibilidade de desenvolvimento das competências gerencias e executivas, e por que não , as de especialista também. Não invalida de forma alguma a eficiência dos treinamentos formais como elementos de desenvolvimento de competências técnicas.

 
2 Comentários

Publicado por em 06/06/2016 em Administração, Geral

 

Tags: , ,

REFLEXÕES DE UM JOVEM SEXAGENÁRIO – I

Provavelmente estas reflexões permitirão mais de um post, pois desde o momento que resolvi escrever sobre isso vivo uma enxurrada de ideias, pensamentos, lembranças e questionamentos, justamente pelo fato de estar prestes a completar 60 anos de idade.

Olhar para trás para entender como sou e como cheguei até aqui e olhar para a frente com muita vontade e esperanças mas ciente de que talvez já tenha consumido mais ou menos 2/3 de minha existência . Mas como sou cristão, com fé conforme reafirmei no meu perfil, e acredito na vida eterna, o tempo remanescente na terra não pesa e nem cria angústia. Somente uma certeza de que qualquer que seja o tempo que ainda tenho, tenho no mínimo responsabilidade de continuar a amar ao próximo como a mim mesmo, perdoar tanto quanto me sinto perdoado por Deus por intermédio de Jesus Cristo, e seguir fazendo o bem, com mais leveza do que fiz até hoje, com mais realização do que materialização de coisas, mais satisfação e prazer do que pressão do dever, da ética do dever. Sim viver um pouco com a ética do prazer, onde a qualidade de vida extrapola questões básicas, de necessidades essenciais para planos de realização pessoal, sentimentos, razões, abstrações e vivências, essenciais para a maturidade de corpo, mente e espírito. Uma leitura mais correta e profunda de Maslow.

Não quero colocar ordem cronológica ou ordenar ideias por prioridade de assuntos, mas só deixar registradas as reflexões mais significativas que estes momentos de virada de mais um decênio me trazem.

Em 2007, durante um período de reflexão sobre carreira profissional, fui desafiado pelo meu Coach, na época da DBM , Marco Antonio Figueiredo, a escrever minha biografia em septênios. Desafio aceito e ao final me surpreendi com quase 100 páginas escritas. Preciso retomar a biografia e escrever os 8 anos já passados desde então. A biografia foi uma reflexão e tanto. Escrevi em 3 pontos de vista, o pessoal , a família e o profissional. Pode dar um livro. Mas o importante é que ao escrever sobre minha vida, enfrentei algumas sombras que incomodavam.

Depois foi morar em Marília, só, por um tempo, porque a Clêo não poderia transferir suas aulas de imediato. Desafiei-me a experimentar, para mim mesmo, a experiência que outros tiveram e que por vezes me coloquei preconceituoso. Iniciei sessões de psicanalise que desde então não só me comprovaram ser uma experiência riquíssima, de autoconhecimento e autodesenvolvimento, como também deixei de ter qualquer preconceito. Ao contrário, sinto-me à vontade para recomendar a quem precise, ou queira, sem restrições.

Conheça- a ti mesmo! Penso ser uma recomendação da boa doutrina bíblica e a frase se não me engano é do Nietsche. Assim seja.

Mas como tudo isso é processo também de mudança enquanto pessoa, cidadão, profissional, familiar talvez este seja o tema mais interessante para minha reflexão nestes dias. Mudança ! Como gosto do rock do Seixas, “prefiro ser uma metamorfose ambulante..”!

Quanta coisa mudou e continua mudando. O universo permanece mudando porque em plena expansão. O planeta muda vertiginosamente e cada vez mais até pela “contribuição” do ser humano em todas as suas iniciativas. Muitas boas, muitas questionáveis, mas infelizmente a maioria delas provavelmente ruins e más!

A sociedade muda, os costumes mudam a moral muda, a ética é testada à mudanças ou ao esquecimento e ou omissão. O equilíbrio é sempre instável.

As pessoas também mudam. Penso que todos, o tempo todo, pretendem mudar para melhor. Ocorre que primeiro precisam aceitar que mudar é bom, que a mudança acontece quer queira, quer não, e depois só falta concluir qual o referencial e a direção para definir o melhor. O que seria mudar para melhor, e de que ponto de vista. Do seu? Do seu próximo? De seu chefe? De sua família? De sua comunidade? De Deus?

Melhor implica em algo diferente do que era antes e na direção de um aperfeiçoamento. Isso quer dizer na direção da perfeição. Fica cada vez mais complicado. Precisa descomplicar a cada década de vida bem vivida. Vou tentar descomplicar.

Sinto-me muito bem com mudanças. Um dos melhores elogios que recebi a poucos meses de minha esposa, e foi algo assim : me admirava porque eu estava sempre me reinventando, no sentido de inovação mesmo. Vida nova, formas novas, atividades novas, leituras novas. Gostei muito e me senti suportado para continuar assim.

Mas tem sempre um contraponto. Suas mudanças são suas, mas podem afetar aos que convivem no seu entorno e nem sempre isso é livre de conflitos e necessidade de ajuste. Muito mais se os outros preferem não mudar também e preferem a estabilidade, conformidade e segurança das estruturas já criadas. Perseverar apesar disso é mais difícil. Por vezes dá preguiça. Por vezes dá vontade de deixar a vida te levar, como o pagode do Zeca Pagodinho.

Mas sinto que as mudanças como são propostas não são mudanças aleatórias, mas resultado de tudo o que já mudou desde 27 de agosto de 1955. E vai continuar a mudar certamente. E, portanto seguir a intuição das mudanças no tempo e nas oportunidades que possam afetar o seu eu, o nós, os outros; é uma vontade Divina que sincroniza com nossas vontades e nos faz mover para frente, sempre mudando. Sincronicidade é isso! A vontade de Deus se alinha com as nossas vontades e vice e versa e como consequência as coisas acontecem e como sempre acreditei, “Todas as coisas acontecem para o bem daqueles que amam a Deus!”

Por hoje é isso!

Seguindo Paulo o Apóstolo: Não me conformo com estes tempos, mas transformo-me pela renovação da minha mente !!!
Marcos C Ribeiro

Abraços e até a próxima reflexão sexagenária.

Marcos C Ribeiro

 
1 comentário

Publicado por em 26/08/2015 em Filosofia, Pessoal

 

Tags: ,