RSS

Arquivo da tag: Carreira

Desenvolvimento de Competências e um Plano de Desenvolvimento Individual – Conceitos e convicções.

Aos colegas que desenvolvem um PDI (Plano de desenvolvimento Individual) que não é uma mera lista de treinamentos em cursos formais! (1)

Uma conceituação atual, moderna e correta no meu ponto de vista segue abaixo com suporte também de algumas matérias recentes publicadas  , entre elas Carlos Hilsdorf, Eugênio Mussak , Luiz Carlos Cabrera, Vick Bloch  e outros :

Uma colocação muito simples é justamente definir competência como “naquilo que sou bom”, mas do ponto de vista do outro! Naquilo que os outros reconhecem e declaram que sou bom!

Mas esta simplicidade não é suficiente para um trabalho individual e ou coletivo, operacional e ou estratégico, no que se refere a necessidades presentes e futuras do indivíduo e ou da organização.

Para o sociólogo francês Philippe Zarifian, competência é “tomar a iniciativa e assumir a responsabilidade diante das situações profissionais com as quais nos deparamos. Consiste em um entendimento prático de situações, que se apoia em conhecimentos adquiridos e os transforma à medida que aumenta a diversidade de situações”.

Competência pressupõe uma ação que faça diferença onde for aplicada! Portanto agrega valor diante de novas situações, nos processos e nas decisões.

Assim, podemos compreender a composição do conceito de competência, através de critérios objetivamente mensuráveis, como o exercício proativo e simultâneo de:

1.Saber conceitualmente (qualificação) – conhecimento
2.Saber fazer (experiência funcional) – habilidade
3.Saber agir (capacidade de obter resultados) – atitude

Portanto, competência pode ser entendida como uma ação fundamentada e assertiva frente a novos desafios! Esta ação dever agregar valor econômico para a organização e social para o indivíduo. Competência é um potencial disponível para enfrentar os desafios futuros.

Competência é a qualidade de ser adequado e bem qualificado física e/ou intelectualmente frente a desafios. É a capacidade de tomar decisões bem informadas e coerentes. Contempla grupos de habilidades, atitudes e conhecimentos necessários para a realização eficaz de tarefas. Refere-se a ações e comportamentos identificados pelas lideranças como efetivas contribuições na implementação da mudança; estes comportamentos são necessários para um desempenho satisfatório ou excelente em qualquer desafio profissional.

Por isso é possível medir tecnicamente em testes especialmente desenvolvidos para isso e com excelente grau de precisão.

Por isso também todo resultado não tem certo ou errado, mas somente um retrato de momento para desenvolvimento de um plano, que foque a evolução do indivíduo no desenvolvimento de competências, em qualquer tempo, idade e momento de vida.

O conceito de competências no RH e no desenvolvimento de pessoas e organização cresceu em uso e conceituação a partir dos anos 70 com saltos interessantes nas décadas de 80 e 90 e estas evoluções permanecem válidas e validadas.

Um acréscimo do início do século XXI veio com Eugênio Mussak que acrescentou conceito adicional de Meta Competência para aquilo que vai além do mensurável normalmente e contempla alguma capacidade individual e específica para superar a normalidade com, por exemplo, algumas características que seriam um turbinamento das competências. Exemplo na conjugação com alguma inteligência superior a média (digo alguma, pois hoje a inteligência já está sendo estudada em mais de 10 inteligências ou segmentos diferentes !) Diferencial Meta também seria a componente de entusiasmos , paixão , intuição adicionadas as competências deste indivíduo. Ouso dizer que o crescimento do nível de consciência do indivíduo na práxis do pensar e fazer e vice e versa é uma Meta Competência.

A atitude de ampliar continuamente suas competências será sempre a maior competência de todas elas e inclui disposição, vontade, disciplina, persistência,  mas depende fundamentalmente de auto motivação para o auto desenvolvimento (auto gerenciado no tempo!), e ambos os fundamentos dependem do autoconhecimento.

Por isso o desenvolvimento de competência é possível, necessário, desejável. Não para o presente somente, mas para o futuro de cada um e onde quer que estejamos atuando! Não tem limite de idade e não precisa parar na aposentadoria!!

O Coaching tem o papel de suportar e facilitar o entendimento, o autoconhecimento, a montagem do PDI e seu monitoramento até que o autogerenciamento e o autodesenvolvimento estejam incorporados no indivíduo.

É por isso que a distinção entre Coaching, Mentoring e Tutorial é importante, mas isso fica para outra ocasião!

Se precisar de algum esclarecimento é só perguntar!

Vamos em frente!!!

Marcos C. Ribeiro

 

PS: texto desenvolvido para orientar e motivar gerentes e diretores de uma multinacional em um amplo programa de desenvolvimento de competências individuais na direção de competências organizacionais estratégicas definidas quando o Plano Estratégico de cinco anos incorporou definitivamente a componente de pessoas (Recursos Humanos naquele tempo!) como fundamento estratégico para o Sucesso do negócio. Serviu de base conceitual para desenvolvimento de atividades de Coaching e Mentoring que fazem parte do meu cotidiano desde então.

(1) O tom crítico ao longo do tempo de confirmou oportuno e permanente dado que a maioria dos processos de avaliação de resultados e competências das empresas acabam em um PDI formalizado e registrado no RH que não passam de uma lista de cursos formais e algumas atividades “on the job”, o que limita sobremaneira a possibilidade de desenvolvimento das competências gerencias e executivas, e por que não , as de especialista também. Não invalida de forma alguma a eficiência dos treinamentos formais como elementos de desenvolvimento de competências técnicas.

Anúncios
 
2 Comentários

Publicado por em 06/06/2016 em Administração, Geral

 

Tags: , ,

Minha Experiência com Estresse !

Texto publicado também como newsletter do site http://www.carpsi.com.br , em uma série de análise sobre o tema com vários autores e coautores.

 

Fui executivo por mais de 35 anos e na maior parte do tempo em empresas multinacionais americanas. Minha carreira pode ser considerada de sucesso uma vez que na média, a cada 2 anos eu recebia convite para novas funções e responsabilidades , promoções laterais , diagonais e verticais e que culminou com a função de CEO da subsidiária brasileira de uma das empresas , a mesma onde permaneci por mais tempo e que o cargo de Presidente foi também o cargo onde permaneci por mais tempo.

Tudo isso tem seu lado muito bom de realização profissional, sustentabilidade econômico financeira da vida e da família, muitas histórias para contar. Mas tudo isso também tem e teve, no meu caso, um custo razoável.

O estresse em níveis normais é inerente do ser humano e de certa forma é parte de nosso comportamento programado, para sobrevivência. Nível de prontidão, respostas às ameaças, reação positiva ao estado de medo etc….

Na vida executiva há quem acredite que um nível de estresse elava a produtividade do profissional.

Talvez seja verdade.

O problema é que o sistema de gestão de pessoas, estabelecimento de metas e cobrança destas metas, sempre crescentes, leva os profissionais, em geral, a um nível muito elevado de estresse , de forma permanente . Isso é , o nível de adrenalina no organismo vive acima da média . O Cortisol entra em cena para nivelar as coisas e também vive em porções elevadas neste mesmo organismo. Tudo se desequilibra. Enquanto o organismo tenta se reequilibrar suas energias são devotadas aos desafios e conflitos que o modelo impõe. Logo o cérebro é ocupado e treinado para reagir ao desequilíbrio e manter o estado de prontidão e de coragem.

Neste momento não há pratica de atividade física que resolva . Ameniza mas não resolve . Não há Lexotan ou Rivotril  que resolva . É bem complicado.

Os sintomas de estresse crescente vem em geral , ou pelo menos no meu caso ,  de aumento da disposição para horas adicionais de trabalho, ritmo acelerado de raciocínio e estudos para solução de problemas ,  tempos adicionais dedicados às pessoas da equipe , de modo a manter a motivação elevada , espírito de equipe forte, e portanto performance e entregas também de acordo com o planejado.

O tempo é disciplinado para o trabalho e para os projetos . O tempo é indisciplinado para a vida pessoal e familiar.

A alimentação perde a disciplina , em  termos de horários , quantidades e mesmo na composição mais ou menos saudável.

O sono pode sofrer na qualidade , pois na quantidade é certo que sofre.

Em breve o organismo de cada um reage de sua própria forma.

No meu caso as descargas de adrenalina involuntárias vieram cada vez maiores e mais frequentes , sempre abdominais , portanto sem a taquicardia muito comum para muitos.

Em seguida as descargas de adrenalina passaram a ocorrer justamente no momento de relaxamento para dormir , já deitado e em fase de buscar o sono. Neste momento um fenômeno adicional veio . Eram os formigamentos  no do lado esquerdo do corpo desde a face até o pé . Nem preciso dizer que esta sensação te faz pensar no pior . Fui até a Cintilografia com esforço para saber que não era cardiopatia !

Na evolução do quadro a pior sensação viria em seguida . Na hora em que eu estava quase dormindo , portanto com as ondas cerebrais provavelmente em Alpha , a sensação de que eu sairia do meu corpo , pela cabeça , só aumentava a adrenalina e a sensação de medo , do desconhecido. Alguém me falou para deixar sair que eu voltaria. Não consegui. Era começar a sair pela cabeça e eu acordava e me sentava na cama . Pode imaginar o sono reparador quando vinha ? só depois de passar estes efeitos !

Alguns tem no pico do estresse o chamado Burnout . Mas outros seguem como a hipertensão  , é invisível no começo até que vem para balançar as estruturas.

Acho que Estresse normal realmente é bom e saudável mas passar do ponto não é recomendável para ninguém . Se ele vem de ansiedade , trauma , medos ou ameaças , só é importante salientar . Trabalhar fazendo o que te realiza e que gosta , até 14 ou 16 horas por dia não gera Estresse . Quem gera estresse são componentes do sistema de gestão e do clima da organização e por vezes a cultura. Outro ponto gerador de estresse feroz é o conflito de valores entre você e a empresa ou você e seu chefe . Evite isso !

 

Marcos da Cunha Ribeiro

 
3 Comentários

Publicado por em 21/08/2015 em Administração, Geral, Pessoal

 

Tags: , ,

DIA 11 DE DEZEMBRO – DIA DO ENGENHEIRO !

Caros Engenheiros do Brasil ,

Ainda não completamos as 24 horas do dia 11 de dezembro.

Eu ia deixar passar, mas de momento me ocorreu que seria uma injustiça com meus colegas e comigo mesmo. Deixar passar em branco esta data sem uma reflexão que me ocorreu mais de uma vez, mas quem sabe hoje de forma mais forte!

Há duas semanas comemoramos 35 anos da turma Mack Mec. 78  e sem falhas nestes 35 anos pudemos não só reafirmar o espírito Mackenzista de ser mas repetir com orgulho “ uma vez Mackenzista , sempre Mackenzista !”

Primeiro que espero seja entendida como uma homenagem à todos os colegas graduados em engenharia , exercendo ou não esta profissão tão especial em qualquer rincão do Brasil !

Também como homenagem a quem quer que tenha sido influenciador do currículo e grade de graduação deste bacharelado , como se dizia nos bons tempos , em especial aos que mais influenciaram esta formação depois que o engenheiro deixou de ser um profissional liberal, exclusivamente, mas passou a ser um profissional que na organização industrial (e depois dos anos 60 financeira).

Colaborou e empreendeu de forma a dar a estas organizações oportunidades de desenvolvimento, crescimento, evolução, e por muitas vezes de liderança, por conta de uma formação, competências desenvolvidas e conhecimentos duramente adquiridos que fizeram e ainda fazem a diferença, com o maior respeito, aos demais colegas de outras formações.

Lembrei-me da nossa data este ano de forma tardia. Mas ainda a tempo, pois vou postar antes da meia noite!

Mas a maior inspiração para estes pensamentos podem ter vindo de bons exemplos de nossa vida e geração de engenheiros? Não vou nominá-los todos pois certamente serei injusto ! Mas nossos professores da Escola de Engenharia Mackenzie ( como era de fato seu nome até forças maiores mudarem a memória e a honra ?) , nossos mestres , nosso paraninfo ( falo agora em nome da turma de Engenharia Mecânica Mackenzie 1978 ) ou os mestre de nosso colegas da Poli , FEI , Mauá , FESP ,Mogi e tantas outras ? Bem alguns nomes aqui vão ficar como minha homenagem pessoal, ainda que corra o risco de falha com alguém, mas Waclaw  Cywinsky (acertei da ortografia ?) Hélio Nanni , Kock , Nietto, Mirshawka , e tantos outros !! Ou de outros nomes mais públicos e tão memoráveis  como Dr Antonio Hermínio de Morais, J.  Gerdau, Dr Olavo Setúbal, Figueiredo Ferraz, Ramos de Azevedo, irmãos Mendonça de Barros e tantos outros.

Se eu pensar em engenheiros que mais influenciaram minha vida a ponto de me tornar engenheiro em meio a muitos dentistas ( que em parte são engenheiros entre tantas pontes, pilares e vigas em balanço ?!) só posso lembrar dos primos e amigos que me antecederam nas escolhas , na produção de vidro , ar condicionado, sistemas de acionamentos e até especialistas em concreto . Sim me antecederam mas me aconselharam : Marcos , se você quer uma carreira de crescimento e sucesso vá para produção , manufatura , fábrica ! Chão de fábrica! Fui e não posso nem me arrepender e nem deixar de agradecer. Nunca fui do perfil de cálculos e pranchetas, ou mesmo de pura academia e pesquisa! Sim, minha possibilidade de estar com pessoas, viver as complexidades não cartesianas, experimentar as forças intangíveis da política me levava para a produção e para o ambiente industrial como base.

Mas hoje me vejo como especialista em Marketing Industrial ( finalmente entendido como Marketing do B2B) e me vejo cercado de amigos de formação de engenheiro.

O que tem o engenheiro que o faz eclético na área de administração, do marketing ou mesmo da gestão de pessoas? ( meus grandes mestres J.C.T Moreira e  L.C. Cabrera são engenheiros!)

O que me impressiona até hoje quando vejo e ouço, engenheiros músicos ( e não sei se Engenheiros do Havaí são  engenheiros !!), mas vejo exemplos como Carlos Godoy , Carlos Alfredo , Luiz Antonio R Pinto, e tantos outros que enriqueceram a engenharia com a sensibilidade ( e não a métrica! ) da música, é que a engenharia não é puramente cartesiana como muitos ainda pensam.

Sim, talvez eu seja de um tempo onde os doutores eram sempre médicos ou advogados. Sem nenhum demérito, mas por quê? e a carreira de engenheiro que seguiu a necessidade do desenvolvimento da infraestrutura , da manufatura de escala , da sofisticação da eletroeletrônica , entre outros , éramos a 3ª via ? Realmente a 3ª via!

Hoje somos minoria. Somos menos do que 50 % da necessidade do país. Somos de fato 37 mil vagas que após vestibular se tornam 27 mil alunos e ao final de 5 anos de formação somos menos do que sete mil engenheiros para uma demanda média anual do nosso país de 10 a 12 mil novos engenheiros por ano. Triste estatística para quem pretende crescimento de PIB acima de 2% !!

Somos então ou uma “mercadoria” em extinção, ou somos um grupo de pessoas com aptidões e conhecimento em declínio demográfico?

Somos poucos porque somos os que sobrevivem aos 5 anos mais desafiadores e difíceis de uma Universidade da área de exatas ( é bom separar as áreas para não ferir suscetibilidades !) em tempos onde , infelizmente , e na maioria das vezes , privilegiam ao objetivo de maior retorno com o menor esforço ! Ou sempre os melhores resultados a qualquer custo, por qualquer meio, e no mais curto prazo!

Definitivamente a data é memorável e digna de lembrança!

Os profissionais que na engenharia se formam, para as mais diversas contribuições de serviços e trabalhos ( projetos) para o sociedade merecem meus respeitos! Homenagens, porque sou privilegiado de ser um engenheiro, eclético, músico e companheiro de outros engenheiros, ( engenheiros que se formaram médicos , advogados e financeiros também ) que muito me honram pela companhia na formação e no reconhecimento de nossa base de formação que tem sido um dos alicerces para a sociedade brasileira, apesar de tantos terrenos lodosos a que somos expostos todos os dias de nossas vidas ! ( estabilidade de estruturas é uma das grandes ameaças dos dias de hoje !)

Deus dê graça e atenção aos engenheiros neste dia!

Que as estruturas de nossa sociedade de hoje e do futuro tenham seus cálculos suportados por engenheiros competentes.

Que nossa economia, ao invés de corporativismos fátuos, possa criar as sinergias necessárias entre engenheiros, administradores e economistas para a prosperidade da sociedade ser de fato uma possibilidade ampla, geral e irrestrita.

 

Abraços aos engenheiros deste país!

 

Marcos C Ribeiro

 
Deixe um comentário

Publicado por em 11/12/2013 em Contexto, Geral, Pessoal

 

Tags: , , ,

CARREIRAS E SUAS COMPLEXIDADES MAL TRATADAS

Quando se analisa carreiras todos esperam de suas empresas, ou empregadores, um plano de carreira. Ledo engano….

Não existe o plano de carreira, como se pensava, há muito tempo. Existem sim eixos de carreira, nas empresas, e estas podem  identificar o executivo como um potencial importante para desenvolvimento e desejar que ele prossiga sua vida nesta empresa em um destes eixos.
Os eixos em geral são de administração (certo ou errado inclua-se TI), comercial (vendas e marketing), manufatura (industrial ) e no caso de empresas com produtos e tecnologias o eixo técnico bem definido e com boa ênfase em P&D .
Ocorre que no percurso de uma carreira se almeja progresso profissional e este em geral está implícito em cargos de maior responsabilidade, ou no caso da carreira técnica , maior especialização e em algum ponto gerenciamento de equipes.
O crescimento da responsabilidade da função pode e deve estar acompanhado de autonomia e capacidade de tomada de decisão e a partir de cargos de diretoria em geral entram como componentes de complexidade a visão estratégica e a visão ampla e integrada do Business.
Neste ponto é que deixo a questão para reflexão :
A complexidade crescente que faz dos diretores e vice presidentes até os CEOs, COOs, CFOs cargos de grande importância e responsabilidade exigindo bagagem , competências bem desenvolvidas , experiências de sucessos e até , porque não , alguns insucessos que contaram no aprendizado, tem pontos que infelizmente passam ao largo do desenvolvimento das carreiras e podem cedo ou tarde trazer riscos e soluções de continuidade indesejados . São eles:
1. Ambiguidades
2. Contradições
3. Paradoxos

Com o maior cargo e maior responsabilidade, na alta direção, reportando para Cs ou para Conselhos crescem também estas complexidades que devem ser foco de atenção.

Estas complexidades acima citadas em geral são geradas por incoerências entre discurso e prática; ou por valores escritos mas esquecidos ; ou  propósitos, causas, ou missões publicadas, mas não comunicadas , a ponto de não se ter colaboradores aderentes, comprometidos e compartilhando desta visão de futuro que também pode e deve ser alinhada com os valores e propósitos de vida individuais.

Nestes paradoxos moram muitas frustrações de carreira de muitos colaboradores.
Nestas ambiguidades moram muitas trombadas entre pares de alta direção.
Nestas contradições morrem as possibilidades de comprometimento verdadeiro;
neste conjunto de complexidades mal tratadas crescem os comportamentos de sobrevivência e, portanto do cinismo corporativo.

Marcos C Ribeiro dezembro de 2013

 
2 Comentários

Publicado por em 06/12/2013 em Administração, Geral

 

Tags: , , ,

Millenials : Uma alternativa para entender que existe sim uma mudança de gerações !

O vídeo abaixo me foi enviado por um sobrinho que mesmo na flor da idade de 30 e poucos anos enfrentava um dilema na compreensão , comunicação e liderança de um grupo mais jovem do que ele no trabalho.

http://vimeo.com/44130258

Depois de ver o vídeo com calma e tambem considerar outras recentes leitura sobre o tema me pareceu oportuno compartilhar o mesmo e considerar alguns pontos de vista sobre este momento de transição ( que sempre ocorre e continuará ocorrendo) quando gerações novas apresentam comportamentos diferentes dos observados anteriormente e certamente constroem um modelo natural de resistência até que a compreensão e a própria infiltração da nova geração no ambiente de trabalho gerem movimentos de mudança de comportamentos tambem nas gerações anteriores e agora receptoras da nova .

A leitura do contexto socio-economico neste caso é primordial pois existem forças da propria evolução social das minorias privilegiadas  ou maiorias antes negligenciadas que movem os confrontos , certos ou errados , mas reais.

Por exemplo : alem do aspecto de uma geração chamada Y ser emergente , os comportamentos dos seus representantes se da classe C tambem emergente são resultado do contexto a que me refiro. Tambem devemos tomar cuidado com a realidade dos “Y” do hemisfério norte e os nossos ainda que as distancias tecnológicas não sejam mais significativas e todos estejam integrados nas web, redes etc…

Outro aspecto importante : Entendo que no hemisfério norte depois da crise de 2008 e ainda mais na sua durabilidade até hoje seja nos USA ou EU , temos uma verificação interessante : quantos dos novos entrantes no mercado de trabalho podem manter o mesmo nível economico social que lhes foi proporcionado pelos pais até o momento da transição? Seria esta uma boa explicação para o fato de que na maioria deles viver na cas dos pais até a “senioridade” dos 30 anos não seria uma conveniência mais economica do que de viabilizar seus anseios por conta própria porque a propria sociedade ou organizações empregadoras não estão preparadas para suprir estes anseios novos e mais livres na contrapartida de salários , promoções e cargos e benefícios aspirados e talvez utópicos no momento proposto ?

Entendo que o final do vídeo propõe uma visão muito bonita do que sejam os anseios e desejos mas falha na proposta real de que nada disso será possível sem um esforço de trabalho, estudo , aperfeiçoamento de competências . Nada disso caíra dos céus e nem será suprido eternamente por progenitores atônitos com as exigências ou anseios ao menos mais audaciosos do que estes conseguirem ser !

Os desafios estão só no começo . Considerando as classes mais privilegiadas que tiveram boa educação formal , boa base de valores e boa percepção de que do suor do rosto virá o sustento, menos choques e conflitos serão esperados . Porem para a maioria os conflitos serão evidentes e os primeiros deles já visíveis estão na dificuldade de pessoas dispostas ao trabalho versus a quantidade de pessoas pré-dispostas a continuar vivendo sem sentido de realização mas suportadas por modelos compensatórios e paternalistas como os Bolsa família da vida ! E isso , não se enganem , não é privilégio do nosso Brasil. A Europa nos ensinará isso em breve !

Marcos C Ribeiro

 
2 Comentários

Publicado por em 30/06/2012 em Administração, Geral

 

Tags: , ,

O Desafio de Viver o Hoje !!

Por isso não fiquem preocupados com o dia de amanhã , pois o dia de amanhã trará as suas próprias preocupações. Para cada dia bastam as suas próprias preocupações.” Mateus 6,34

O texto de Mateus é encontra seu paralelo em Lucas com algumas alterações e, em especial, este versículo, muito repetido como um consolo para todo o cristão, não aparece em Lucas. Seria uma mensagem para os judeus mais do que para os gentios? Acredito que não. A mensagem de fundo e principal é a prioridade das coisas de Deus e todas as outras coisas serão acrescentadas. É a prioridade para as coisas do porvir. De um futuro intangível, mas que a Fé suporta e sustenta.

No texto, as preocupações com as bases da pirâmide de Maslow são evidentes. Preocupação com ter o de comer ou o de vestir. Pressupõe que mesmo na época de Cristo o morar era menos problemático do que ter o de comer e vestir. Bem que o milagre foi de multiplicar os pães e os peixes e não criar um Nossa Casa, Nossa Vida, por exemplo.

Mas o ponto da discussão é exatamente: como não se preocupar com o futuro e com as coisas que teremos pela frente? Ainda mais na época de desejar aos amigos um Feliz Ano Novo, pleno de realizações e muito sucesso, claro que com saúde e sempre sob as bênçãos de Deus!?

Uma frase de Olavo Bilac me chamou a atenção na semana passada:

 

O presente não existe. A vida é o passado e o futuro; vivemos de lembranças e de ambições, entre a saudade e a esperança.”

 

Em resposta a uma conversa de web, recebo outra tão provocante quanto essa e, dessa vez, de Frank Lloyd Wright (Arquiteto famoso nos Estados Unidos):

 

O presente é a sombra que se move separando o Ontem do Amanhã. Nele repousa a Esperança.”

Mas daí, surge um texto de 2002 que minha mãe escreveu e guardou para compartilhar exatamente agora, hoje, neste momento (ou foi no minuto que já passou? — ou já seria saudade e lembrança?):

SER

Ignez Pinto Dias Ribeiro

 

Nesta imensurável fração da eternidade

que é o agora,

estou deixando de ser, para me sentir sendo,

entre o eu fui e o eu serei.

 

Se tal não fosse, como explicar,

o que já foi e o que será?

 

É pura energia, ou é a inércia,

que me leva através do ser agora,

neste exato momento em que sou, e

deixo de ser, pelo simples fato de que já era?

 

E por que assim não seria

se, afinal, a vida é uma sucessão

de momentos que já foram,

são e serão,

eternos nos frágeis agora,

enquanto duram?

 

Imediatamente voltei para a reflexão sobre o tempo e a percepção humana, presa ao sistema solar e aos 60 segundos de cada minuto até os 365 dias de cada ano, e que estamos prestes a ver passar o de 2011!

Para Deus mil anos são como um dia e um dia como mil anos?! Veja em Salmo 90,4 ou 2Pedro 3,8.

A perspectiva do tempo depois da relatividade de Einstein, e mais ainda depois da Física Quântica, me parece desafiar-nos para dois pontos muito importantes. Primeiro, evitando a perspectiva de tempo, no tempo de Deus para nossas necessidades, desejos, sonhos, devemos manter nossas vidas e perspectivas abertas à ação do seu Espírito em nossas vidas a fim de que nossas realizações e cada passo dado reflitam que nossa vontade está em sintonia com a vontade de nosso Pai.

Segundo, devemos entender que a mensagem de Cristo priorizou as coisas de Deus, coisas do espírito, coisas da vida plena e que não significa que devemos imaginar que as coisas acontecerão por acaso ou por providência divina a despeito de nossa omissão em sermos os protagonistas de nossas vidas, anseios e desejos humanos e terrenos. Não perca a Fé na Vida eterna mas Ponha o pé no chão.

A palavra esperança sempre teve uma conotação na tradição Cristã de esperar. Mas, na verdade, a esperança não deve ser um substantivo inerte e que nos coloque sempre na espera de que algo aconteça por acaso. Acaso este que, quando dá certo, entendemos imediatamente como providência. A palavra esperança evoca ação, a atitude de esperar algo, fazendo acontecer! Esperançar seria o verbo e não esperar, conforme ouvi uma vez do amigo Arthur Hipólito de Moura.

O Apóstolo Paulo planejava cuidadosamente suas viagens. Trabalhava para obter seu sustento e não depender de doações de seus novos seguidores recém convertidos ao Cristianismo. Por outro lado, de suas viagens sempre trouxe doações e dízimos das Igrejas recém inauguradas para ajudar no sustento da sofrida Igreja de Jerusalém, esta sim uma providência que tinha como protagonistas pessoas com iniciativa, em sintonia e alinhados com os planos de Deus para a sua igreja e para os seus.

Como ficamos no impasse de se devemos pensar — ou não! — no dia de amanhã, quando estamos no momento ritualístico, quase universal, de refletir sobre o que fomos e fizemos em 2011, e planejar, rever objetivos e nos prometer novas atitudes para o ano de 2012?

Bilac nos fala de nos movermos para a frente com ambições e esperanças.

Frank Lloyd nos lembra que a esperança tem valor no agora, no presente, pois no futuro ela se confirmou ou se dissipou para ser renovada em nova esperança de um presente que será!

Ignez propõe que o agora é uma fração da eternidade que não se pode medir. O futuro é parte da eternidade que não se pode antever, mas viver cada fração para chegar lá. Pois daí vem a questão sobre ser energia ou inércia. Pois que seja energia e não inércia.

Pensei, então, que uma mesma idéia reúne os diversos pensamentos listados aqui, e que exprimem a preocupação do agora ser pouco e insuficiente!

Este pouco, pois efêmero, no tempo curto de uma fração de tempo, vai afetar o que será, e mesmo o que será no agora seguinte será uma fração de tempo para pensar e fazer. O processo contínuo de fazer alguma coisa sempre, na direção desse futuro é que pode ser uma alternativa. Alternativa que será se se mantiver a coerência entre contexto, seu entendimento, decisão e ação!!

Portanto, concluo que é preciso transformar a esperança em ação, tomar a decisão e agir para construir o futuro que desejamos, suportados pelo cuidado de Deus para conosco como promessa de cumprimento eterno, e fazer do agora o ponto de partida para o novo sempre!

Feliz Ano Novo!!

Marcos da Cunha Ribeiro

Agradeço a revisão do Editor e Pastor Marcelo Smargiasse !

 
2 Comentários

Publicado por em 30/12/2011 em Filosofia

 

Tags: ,

Até a Administração de Empresas como carreira requer “saber escolher”

http://www.administradores.com.br/informe-se/noticias-academicas/lavando-a-roupa-suja-da-administracao/50209/#.TtZuIs-ffRg.email

O link acima me provou sobremaneira para estes comentários. Primeiro porque achei o artigo apropriado e bem colocado em especial quando milhares de pessoas estão em fase de vestibular e podem perfeitamente precisar revisar escolhas dentro de alguns meses. A evasão das universidades por má escolha entre 1o e 2o anos chega a 30% e isto dito por um diretor de uma das grandes, particulares.

Para as Universidades particulares isso não é problema, pois os alunos em geral mudam de curso na tentativa e erro e ao invés de ficar de 4 a 5 para graduação , ficam até 8 ou 9 anos. ( e não estou falando do profissionais de 29 anos que fazem FUVEST pela 2a vez para ficar na liderança de invasões de reitorias …).

Outro motivo para esta colocação, mas em total contraponto às recomendações prudentes do 1o link você encontrará no Blog do Prof Kanitz, abaixo, no artigo ” Você não entende nada de administração ” e com todo o respeito que tenho pelo mestre admito seu radicalismo e exagero quando defende posições em favor da classe que representa.

http://blog.kanitz.com.br/

Mas então porque tanta discussão para um curso que já foi chamado de Bom Bril, que foi cancelado no século passado e que hoje infelizmente exige até de recém formados com CRA na mão, um MBA que complemente o que não foi visto na academia no curso de graduação normal como já foi no passado?

Parte da explicação vem da decadência da qualidade do ensino no Brasil que não exime as Universidades deste processo. Parte vem da qualidade dos alunos que entram no 3o grau com uma base tão fraca do fundamental e secundário que o nível precisa cair sob pena de inviabilizar o seguimento do curso para a maioria. Exceção sempre serão os cursos de graduação mais disputados que no processo seletivo seja de ensino publico ou particular seleciona naturalmente os melhores em termos de preparo, conhecimento básico e conteúdo. Infelizmente não consegue peneirar por educação, vontade de aprender, vontade de trabalhar, ética e outros atributos que alguns consideram como educação básica, mas que deve vir de casa, pois esperar da escola é no mínimo uma utopia ingênua.

De qualquer modo as escolhas de carreiras profissionais podem e devem ser tratadas com mais cuidado desde a época da inscrição dos vestibulares, mesmo que depois de um equívoco na 1a escolha e fundamental que seja tratada adequadamente depois de graduado e no mercado de trabalho, ao menos para permitir alguma satisfação e realização no que será o seu trabalho, a possibilidade da paixão pela profissão e pelas atividades que exerce e, portanto a componente fundamental da intensidade com que se exerce a profissão e suas atividades como forma de continuo aperfeiçoamento de competências, habilidades e conhecimentos para a vida e para o trabalho.

Marcos da Cunha Ribeiro

 
1 comentário

Publicado por em 30/11/2011 em Administração, Geral

 

Tags: