RSS

Arquivo da tag: Político e social

Desabafo de 5a feira de Cinzas !!

Me impressiona o fato de mesmo depois de tantas frustrações , altos e baixos da economia , a já conhecida falta de produtividade brasileira , ainda vemos diariamente na imprensa falada e escrita , desde ontem , 4a feira de cinzas , que agora sim o Brasil começa a andar. Isso me parece um auto engano coletivo permanente . Senão vejamos:
No mundo inteiro nas férias de verão existe um número razoável de pessoas que faz um recesso planejando e calculado de seus trabalhos , seja CLT , Empreendedor , autônomo . Coincidentemente no hemisfério sul isso ocorre no início do ano calendário e próximo de festividades de Natal e Ano Novo. Nada demais.
Enquanto muitos saem de férias , muitos , mas muitos mais ,permanecem trabalhando em suas atividades e eventualmente até em busca de nova colocação de trabalho. A vida continua.
Portanto salvo férias forenses , férias de políticos frouxos no congresso, de alguma casta privilegiada ainda herança do Brasil das capitanias hereditárias, não parou não !!
A unica coisa que ainda pode ser considerada um evento cheio de segundas intenções é realmente o Carnaval , 2 dias úteis semi inutilizados por uma festa sem freios que dá a impressão de ser um divisor de águas. Falácias à parte , sim , mesmo sem ser feriado o Carnaval derruba a produtividade das pessoas e da economia , e empobrece o país mias um pouco a cada ano , ainda assim é um business que no mínimo para turismo transfere renda de outras atividades e até do exterior para a terra do samba .
Só isso !!
Lembrando uma das músicas que evocam este falso espirito brasileiro e do controverso Chico Buarque : ” Vá trabalhar vagabundo , vá trabalhar criatura ! ”

Marcos C Ribeiro

Anúncios
 
2 Comentários

Publicado por em 15/02/2018 em Contexto, Economia, Geral

 

Tags: , ,

Liderança e o desafio da Credibilidade e Confiança .

Comecei este artigo há uns 15 dias e coincidentemente ao estar revendo e finalizando o mesmo, eis que me deparo com preocupações semelhantes em vários pontos de nossa sociedade.

Em inglês uma posição muito forte para qualquer formação de cultura, gerenciamento de pessoas pelo exemplo, entre outros me remete a frase “Walk the talk !”

No nosso Brasil tropical sempre usamos ditados e provérbios, digamos enviesados. Certamente este viés é forte e preponderante em formar nossa cultura como sociedade e, portanto em nossas instituições , seja de governo de nação , estado ou município,  mas certamente no âmbito de núcleos sociais como comunidades de toda natureza , inclusive as religiosas , eclesiásticas ! “ Faça o que eu falo mas não faça o que eu faço !”  Lembram ?

Sempre me lembro nestas horas de importantes ensinamentos de nossa amiga Ethel B. Medeiros

Quando dizia que consistência é a coerência prolongada! Oras o que é coerência senão ações que comprovem e confirmem afirmações e posições tomadas? Consistência é Walk the Talk!!!

Se falamos de Gerenciamento pelo Exemplo , estamos falando do “ Walk the talk “!

Pois bem, não bastasse isso encontro em recente artigo de Alberto Carlos Almeida  ( Jornal O Valor ) uma colocação que me provocou , digamos , uma indignação com o status quo! (a discussão era da situação política do Brasil e fazia uma comparação entre condições e posição de Nixon nos anos 70 nos USA e Dilma nos anos 20XX no Brasil! ) : “Credibilidade, assim como confiança, é um ativo que cresce à medida que é utilizado!”  E diz ainda , em contexto de discussão política: “ Como Nixon nos ensina,  credibilidade não usada é credibilidade perdida !”

Diz o texto de Alberto Carlos Almeida:

“Na realidade o problema começa quando a população não entende os porquês da dificuldade ( dificuldades do ano 2015 !) , e acima de tudo , quando não vê o governo se empenhando para que as coisas mudem para melhor .”  e em seguida coloca o exemplo do pai que ficou desempregado e pede para a família reduzir gastos e temporariamente corta o curso de inglês dos filhos , mas que vai a luta , faz o Curriculum e diariamente mostra o empenho em buscar nova oportunidade de trabalho . Vai conseguir, mas o exemplo dado foi coerente com a solicitação de cortes de gastos e até investimentos da família. Todos vão apoiá-lo e dar-lhe suporte.

Para complicar um pouco mais nossas elaborações lembro que relacionamento é algo que acontece quando existe Comunicação e Confiança!  Confiança é derivada direta de credibilidade. Portanto relacionamento também é resultado da combinação positiva de comunicação e credibilidade. Este tema foi um trabalho de Jean Bartoli com ingredientes de Anna Arendt e que no final apela a possibilidade do perdão para o resgate do relacionamento quando confiança ( e credibilidade ) e comunicação falham por nossas fragilidades humanas.

O que acontece hoje no Brasil é isso tudo que acabo de dizer acima. Mas o foco desta reflexão não é só para o Brasil que sempre ocupa posição preponderante em nossas  preocupações , como se o Brasil fosse algo que , além e fora de nossa controle pessoal , interfere e influencia definitivamente nossas vidas ! (e em parte é isso mesmo que acontece!).

Mas veja por outro lado, desde os anos 80 passei  a observar e verificar que nossa economia formal e privada, nossa sociedade enquanto não pasteurizada e controlada por alguma força ideológica de qualquer vertente, sempre foi mais forte, superou e sobreviveu a todos os descasos e desmandos dos contextos vigentes. Desde a proclamação da república, mas de forma consistente, crescente e permanente cada vez mais firme, na passagem da ditadura Vargas, governos claudicantes, ditadura Militar e agora a pseudo-ditadura de esquerda, quase bolivariana que vivemos e nela imergimos.

Para fechar a reflexão meu desafio é de justamente colocar neste contexto amargo e temporariamente depressivo (até na economia!) e colocar em questão: Onde está a credibilidade de nossos líderes empresariais? Onde está o walk the talk destes líderes de empresas que comandam a economia real, que é a única que pode gerar riqueza para ser dividida na sociedade? Onde estão os líderes empresariais que se encastelam em associações e grupos, mas que nos momentos mais críticos ou se omitem ou esperam benesses de governos em decisões questionáveis de desonerações protegidas?

Em excelente artigo recente, Luiz Bersou coloca a necessidade de um pacto social para enfrentamento da crise atual por que passamos tanto política, quanto econômica.

Assim colocou Luiz Bersou na conclusão de seu artigo:

Questão fundamental que não está sendo percebida. Momentos de crise são também momentos de grandes ganhos ou perdas em credibilidade. Credibilidade é a mola de mobilização social. Fala-se em diálogos. Estão soltos por aí.

Diálogos soltos não levam a nada. A base para a capacidade de mobilização precisa ser o Pacto Social que traga para os líderes a condição de construir em conjunto.

Nesse momento em que o governo se mobiliza para salvar a si próprio, não quer cortar na própria carne, está abrindo mão de Pactos Sociais que não o interessam. Precisamos então de líderes empresariais e homens públicos que exijam a elaboração de Pactos Sociais que interessam principalmente à nação e que vão acabar salvando o governo que sobrar.”

Pois bem, lendo e relendo jornais e revistas recentes, consultando colegas que trabalham em Associações de classe empresarial vejo com preocupação que nosso empresariado em geral não só está na defensiva em relação a investimentos como também, como quase sempre nos últimos 30 anos, em posição não de protagonistas de propostas de Pactos Sociais como acima, de fazer acontecer como costumam cobrar de seus gerentes e diretores na empresa. Ao invés disso, estão  como sempre assistindo as coisas acontecerem e esperando que aconteçam como eles desejam . Poucos são exceção, e até estes tem estado em estado de observação.

Acredito que o problema do Brasil, das empresas, das associações e comunidades é anacrônico e sem solução de curto prazo. Precisamos de bons líderes e eles estão em falta!!

Marcos C Ribeiro

 
 

Tags: , , , ,

Os números de 2014 e algumas visões de 2015 !!!

Os duendes de estatísticas do WordPress.com prepararam um relatório para o ano de 2014 deste blog.

Agradeço muito todos os que visitaram e visualizaram em especial aos que se registraram seguidores. Minha maior expectativa é de eu mesmo ser mais assíduo e frequente nas publicações assim que estiver novamente instalado em São Paulo como base de trabalho e de estudos .

Os quase sete anos de vida no interior do Estado de São Paulo só me fizeram maior admirador do povo Paulista , do empreendedorismo tradicional das cidades do interior que tiveram em sua trajetória a oportunidade de ver desenvolver agronegócio , indústria e comércio além da simples subsistência . Certamente houve no seu tempo políticos e empresários com visão e desprendimento . Houve tempo de construir para o bem comum e foi bem aproveitado. Os bons exemplos atuais são poucos. Minha frustração com a escolhas de prefeitos de Marília e Ribeirão Preto foram todas fruto de um segundo mandato intempestivo. Quanto a Marília a esperança de um mandato do filho que não seja seguidor do pai e minha expectativa para Ribeirão preto é que estejam aprendendo a lição desde 2013 , dado que o abandono da cidade é patente e vigente e assim o será para mais 2 anos !

Quanto ao Brasil , me coloco no mesmo grau de esperançar para que a oposição de fato se apresente com ética e responsabilidade , mas com energia , foco e determinação prometidas após outubro de 2014 . Mais 4 anos de uma aberração política sustentada por votos em urnas mal esclarecidas mas certamente por elas.

Ao ler sobre Lima Barreto através do Roberto Pompeu de Toledo , entendo que encontrei o fio da meada para a autodenominação orgulhosa e prepotente , além de arrogante , que o Lulla sempre usou para falar do PT como partido republicano. Escondia no sentido republicano da palavra o bolivarianismo tão caro e tão querido para eles , mas no fundo replicava a realidade da primeira republica que tinha cunhos ditatoriais dos militares , e que na 2a republica deixou as marcas indeléveis da ditadura Vargas tão elogiada pelo ex presidente do PT . Dizia assim no livro Numa e a Ninfa , sobre o tema : ” Vamos ter um governo forte !” ” A ditadura não é isso que vocês pensam . É a Ditadura Republicana !” , ” Em que consiste a diferença ? Consiste em suprimir , em diminuir as atribuições desse Congresso , dessa Justiça que perturbam o governo !” – Achei Fantástico o achado a partir da pesquisa do Pompeu nos romances do Lima Barreto !

Quanto ao Novo Ano tenho objetivos claros de seguir com os caminhos de consultoria , a experiência de ser conselheiro independente e a continuidade de trabalhos que muito tem me realizado e melhorado como pessoa e como profissional , que é o de Career Coaching e Menthoring , e Executive Coaching e  Advisoring.

A readaptação à vida em São Paulo Capital talvez seja o maior desafio mas para isso estou construindo um modelo que pode dar certo : São Paulo como Metrópole está cada vez mais inviável para uma qualidade de vida que não respeite o velho conceito de ” Província ” . Isto é , Imagine que para viver bem em São Paulo, todas as suas necessidades fundamentais devem estar no raio máximo de 5 a 7 quilômetros. Exceções devem ser eventos sociais e culturais esporádicos. Quanto ao trabalho , enquanto não houver melhor malha metroviária com excelente conexão com ônibus e trens a escolha do local de trabalho e vivência deveriam se possível , seguir o mesmo critério. Profissões que se locomovem como área comercial ,visitas à clientes devem considerar sempre o Metrô ou horários alternativos já impostos pelo rodízio. Daqui um ano comentarei a experiência !

Feliz Ano Novo e com muita saúde , alegrias , trabalho, Paz de Espírito e Amor ! Até 2015 !

Aqui está um resumo:

Um bonde de São Francisco leva 60 pessoas. Este blog foi visitado cerca de 1.600 vezes em 2014. Se fosse um bonde, eram precisas 27 viagens para as transportar.

Clique aqui para ver o relatório completo

 
2 Comentários

Publicado por em 30/12/2014 em Geral, Pessoal

 

Tags: ,

Petrobrás e o Pré-sal !

Continuo muito intrigado e até meio indignado com o que pode ser a maior falácia do Brasil das ultimas décadas.

Li cuidadosamente, em O Valor de 6 de março de 2014 , matéria paga da Petrobrás com o título : “Resultado Petrobrás 2013 e Novo recorde do Pré-sal : 412 mil barris de Petróleo por dia . Planejamento estratégico 2030 e Plano de Negócios e gestão 2014-2018”

Pois bem, acho que mesmo lendo mais de uma vez não entendi o conteúdo quantitativo e por conta deste entendo que o conteúdo qualitativo ficou totalmente prejudicado.

Vejamos:

  1. O pré-sal foi descoberto e anunciado com pompa e circunstância e mais uns R$ 220 Bi do BNDES entre 2007 e 2008 no final do governo Lula.
  2. A matéria aponta que temos 21 poços de pré-sal de alta produtividade. E indica que estes poços fazem parte do sucesso de R$ 23,6 Bi de lucros apurados em 2013 ( e não a venda de ativos que consta do relatório anual e monta R$ 23,4 Bi e também por coincidência em 21 operações estruturantes !). Oras, ao que se sabe não existe ainda tecnologia para produção em escala do verdadeiro pré-sal e este petróleo ( que existe em outras partes do mundo ) ainda não se tornou economicamente viável. E cada poço dos 21 na média produz 20 mbd.
  3. A produção do ano de 2013 média foi de 2539 mil  bpd , logo o pré-sal já é responsável por 0,016  % do total da produção da Petrobrás em menos de 7 anos do seu anuncio ? Mas recentemente ouvimos que era 16%%? Mas, ainda conforme a matéria, se a produção cresceu em 11 % desde 2006 podemos entender que em 2006 nossa produção na média era de 2259 mil mbd e, portanto o Brasil já deveria estar produzindo pelo menos 132 mbd de pré-sal em 2006? A conta não fecha, ou o petróleo da plataforma marítima tradicional perdeu produção nos últimos 7 anos.
  4. Reafirma a Petrobrás que sua produção irá crescer, em 2014, 7,5 % ou algo como 190 mbd  e para tal termos 9 nova plataformas que acrescentarão 1 mbd de produção . Devemos entender então que as 9 plataformas entrarão em operação na média entre julho e agosto e só produzirão meio ano. Se 9 plataformas acrescentam 1 mbd de produção , cada plataforma deve produzir 110 mbd  ou 5 vezes mais do que a média dos 20 poços que fazem nosso pré-sal um sucesso ?
  5. As novas plataformas de produção recém-inauguradas ou a inaugurar levam os números P55, P58, P62 e P63 e são todas encomendas de 2008 a 2009 e, portanto para petróleo de águas profundas, mas ainda não para o pré-sal.
  6. A base estratégica é de chegar a produção de 4000 mil mbd, ou 4 milhões de barris por dia. Isso requer crescer mais 46 sobre o projetado para 2014.  Ou aproximadamente mais 12 plataformas tão produtivas quando as novas de 2014 ou talvez mais 60 poços do Pré-sal.
  7. Investimentos para tudo isso , prometem , serão gerados da própria geração de caixa da Petrobrás, e montam para o PNG 2014-2018 até US$ 220 Bilhões.

 

Com tanta projeção, algo confusa para nós leigos em relatórios financeiros de resultados anuais, e muito mais leigos em petróleo, só posso concluir que fiz bem em vender as ações da Petrobrás, ainda em 2010, ações que comecei a investir, por acreditar, em 1985 como jovem recém-formado em economia e membro de um clube de investimento de aprendizado.

Outra conclusão é que se eu pudesse acreditar que os números acima fazem sentido e as projeções sejam realistas, ao preço atual na Bovespa eu deveria voltar a comprar ações da Petrobrás.

Outra conclusão é que os resultados prejudicados por políticas equivocadas de preço e distribuição de gasolina e outros derivados, como ação de contenção de inflação, não aparecem nas explicações públicas do lucro frustrante da outrora gigante do orgulho nacional.

Outra conclusão é que em adição ao que já foi emprestado para a Petrobrás até 2012 pelo BNDES depois dos aportes do tesouro, ainda restam mais US$ 220 bilhões. Alem destes devem existir investimentos de parceiros em até outros US$ 63 Bilhões.

Ultima promessa a ser cumprida e cobrada é de que em 2018 a produção do pré-sal representará 52% da produção de Petróleo total da Petrobrás.

Parece-me que não existem mais limites para as falácias e para o embuste aos investidores incautos.

Não, eu não voltarei a comprar ações da Petrobrás enquanto eu não entender muito bem os números que não fecham.

Se alguém souber me explicar os números acima expostos e me comprovar que existe sim tecnologia para produção econômica do verdadeiro pré-sal, sejam dos 412 mbd de hoje sejam os 2080 mil mbd prometidos para 2018, por favor, entre em contato que ficarei imensamente grato pelos esclarecimentos que espero sinceramente existam.

Aos portadores de ações da Petrobrás, meus melhores augúrios para que as perdas fiquem por onde estão.

Até que isso ocorra permaneço intrigado e indignado.

Boa Sorte Brasil!

 

Marcos C Ribeiro

 
 

Tags: , , , ,

Dos riscos de apagões e racionamento de energia – Desta vez não esvaziaram Furnas.

Tudo começou com uma troca de e-mails sobre a falácia da produção de petróleo do Pré Sal da Petrobrás do PT ! O interessante é que só falamos da fonte de energia dos chamados combustíveis fósseis .

Mas veio a pergunta de um primo querido que também é atuante nas questões ambientais :

Será que não deveremos partir mesmo para a bioenergia (cana, babaçu, etc…), além da eólica e solar?

Ou teremos de encarar a energia nuclear …

Respondi rapidamente mas acredito que é uma leitura realista do contexto e do cenário da geração de energia elétrica no Brasil de hoje e do Futuro . Logo depois disso li a ultima página da ultima edição de Exame e li o que o Professor Goldemberg falou na entrevista : ” Na prática já vivemos um racionamento !!”

Resposta para sua eventual curiosidade :

Nosso problema me parece ser outro , mas seguem alguns dados importantes :

 

Eólica no Brasil tem potencial limitado pois depende de ventos contínuos para ser eficiente e ter custo benefício compatível. Mesmo assim nossa maior instalação no CE está sem produzir porque a CHESF não construiu as linhas de transmissão . São vários M Watts disponíveis e inúteis.

 

Bio Energia já é realidade onde existe a possibilidade , assim mesmo as políticas de intervenção do governo mantem o etano com baixa rentabilidade para teoricamente conter a inflação ( falácia) e para manter refinarias da Petrobrás ativas , mas o tiro saiu pela culatra com o aumento de consumo e necessidades de importação , e agora com o cambio ainda apreciado mas mais realista ! Petrobrás via se esvaindo aos poucos.

 

Solar tem soluções mais interessantes para pequenos consumos. As células solares e geração de energia em pequenas porções em breve poderá ser útil para uso residencial e até fornecer excedente para as distribuidoras mas precisa que Aneel e legislação acompanhem as possibilidades o que não me parece ser boa expectativa pois as” Anateis a Aneeis” também estão aparelhadas pelo partido dominante do poder atualmente ..

 

Energia nuclear limpa é viável e realidade em todo o hemisfério norte ocidental mas depende de investimentos grandes e de infraestrutura , o que não tem sido o forte da nossa linha política de governo atual. Não tenho muitas esperanças de solução nesta linha nem nos próximos 10 anos !

 

Hidroelétricas no N do Pais estarão entrando no sistema com atraso mas vão segurar a barra por algum tempo. Mas sem linhas de distribuição e inteligência de distribuição dos excedentes vai haver racionamento e apagões …

Neste ínterim as termoelétricas a gás ou mesmo a óleo combustível podem ajudar e muito . No apagão do FHC ( provocado com o esvaziamento de Furnas de propósito… aliás !) foram viabilizadas mais de 40 termoelétricas mas acredito que só a metade saiu do papel . São investimentos unitários menores e de fácil localização regionalizada. O custo é maior do que a energia hidro mas é mais baixo do que todas as outras.

 

Pegar de volta Os G Watts que fornecemos para AR seria um problema e continuar a pagar mais caro para as sobras dos Paraguaios de Itaipu já é parte da solução insuficiente de hoje.

 

Crescer a mais de 4% ao ano no PIB ter em breve um novo contingente de classe média comprando aparelhos de AC para suas casas é caos no suprimento antes que qualquer solução bem planejada possa ser implementada . Como Planejamento não existe no Brasil há mais de 12 anos podemos saber o que nos espera.

Boa sorte para todos nós !

 

 

 
3 Comentários

Publicado por em 17/02/2014 em Contexto, Economia

 

Tags: , , , ,

Contabilidade Criativa II

Não deixem de ler na Folha de hoje no caderno de mercado a matéria sobre o tema !
Qualquer semelhança nao é mera coincidência e acrescente-se os dados quantificados e as diversas consultorias que estão na luta de manter uma visão realista do cenário.
Também não é mera coincidência a semelhança com os comportamentos e atitudes de governo na Argentina desde o marida da Cristina.
Não mencionarei a Venezuela para não desrespeitar o moribundo !
Boa Sorte Brasil !
ps: Lula procurou Dilma pois está preocupado com o governo PT atual !!! Agora sim podemos dar uma gargalhada !!!

 
1 comentário

Publicado por em 12/01/2013 em Contexto, Economia, Geral

 

Tags: , ,

Contabilidade Criativa

O mais novo nome para malabarismos contábeis que tornam opaco o resultado das contas publicas brasileiras.
Estamos em anos onde a transparência é o termo mais utilizado para expressão da realidade , ou da verdade quantitativa ou qualitativa , da sinceridade nas relações entre CNPJs ou entre pessoas . Transparência como qualidade de poder ver através , sem distorções e sem alterações de cores ou imagens que estão atrás do anteparo .
este anteparo no caso de resultados sempre foram relatórios economico financeiros, o balanço , saldos de fluxos de caixas , geração líquida de caixa etc…
transparência nos resultados que afetam investidores ou acionistas na sua capacidade de discernir , julgar, avaliar e quem sabe influenciar nas decisões e destinos da sociedade , no caso de uma SA , capital aberto ou fechado , ou uma Ltda , um nucleo de pessoas em comunidade , uma nação ou país , uma sociedade !
Empresas que foram pouco transparentes com seus acionistas provocaram grandes disturbios nas bolsas de valores e na vida de seus investidores . Casos antológicos como ENRON , que fecharam auditorias consagradas e geraram novas leis de controle de expressão e comunicação de resultados , entre outros controles , como a famosa Sarbanes & Oxley nos USA , SOX para os íntimos.
No Brasil a CVM controla , estimula e gerencia a expressão da realidade dos resultados das empresas listadas em bolsa. Temos nossas leis para isso. A famosa lei 11638/08 que é muito semelhante ao famoso IFRS ( International Financial Reporting Standards) , implementada desde 2009 em diante trouxe melhores visões dos resultados das empresas obrigadas a seguirem esta nova lei , ou seja , resumindo , trouxe transparência para acionistas e investidores.
O nosso governo desde que liderado pelo PT , do Lula até a Dilma , que só foi eleito pela carta que se comprometia a cumrpir contratos , isto desde 2002 , e seguir diretrizes básicas da boa gestão da economia e das finanças publicas , isso desde 2002 !! O mesmo partido que foi contra mas perdeu e hoje deve seguir as normas da lei de responsabilidade fiscal que evitou muitos desvarios de prefeitos e governadores até hoje.
Sim , este governo PT que tem aumentado sem controle gastos publicos , gastos de custeio , que promete e não cumpre os investimentos de PAC 1 e PAC 2 em infraestrutura , este governo que gasta mais do que arrecada , que financia obras e empreendimentos questionáveis via BNDES ( inclusive nas bolívias e venezuelas da vida !) desde 2008 ( não é mera coincidência ser perto da eleição da Dilma) vem alterando os bons princípios contábeis de contabilidade e resultados das economias e finanças do Brasil . Belo exemplo ! Seja via contabilidade fiscal ou não as empresas e os cidadãos são mobilizados e regulados por leis que garantem transparência cada vez mais em suas declarações de renda e de resultados.
A Contabilidade pública do governo federal por sua vez , com a imposição e anuência de nossos grandes ministros e ortanto e conseguinte com o de acordo da presidência tem de forma crescente alterado os resultados economico/financeiros de ano após ano.
Só agora a imprensa veiio a publico e começou a desvendar em parte esta , talvez fraude , mas no mínimo , falta de transparência e geração de confusão na leitura e avaliação da performance economica do governo. Isso afeta a própria avaliação da dívida pública, e seus impactos nas finanças públicas. Pior , tudo leva a crer que com manobras de transferências não recomendáveis entre Tesouro e BNDES entre outros estamos mascarando o deficit fiscal real e muitos outros números que iriam expor a forma errática e improvisada com que temos tratado a questão da economia do país.
Como disse hoje na Jovem Pan , nosso ex presidente do BC , Gustavo Loyola , estamos comentendo um conjunto de “pequenos homicídio” institucionais diariamente e usando da Contabilidade Criativa para escondê-los ou ao menos ganharmos tempo para evitar melhor avaliação que ponha em cheque uma pretensa liderança do Brasil nos ultimos anos como o país que melhor se saiu da crise de 2008 e ainda melhor tem promovido seu desenvolvimento .
O Pibinho de 2012 , o talvez PIB 2013 , a Inflação real de 2012 , a inflação crescnete em 2013 , nossos saldos de balança comercial decrescentes, nosso crescimento de custeio, falta de investimentos de infra estrutura que oneram o custo Brasil , nossas facilidade de isenção fiscal apra áreas obsoletas da industria que sobrevive de subsídios e desonerações , ou seja a total perda de produtividade dos setores e portanto da economia estão aí para finalmente desmascarar o que a Contabilidade Criativa tenta esconder .
Felizmente não somos e não seremos uma ” Argentina ” que cala a imprensa cada vez mais , esconde as mazelas de suas economias , mente acintosamente sobre sua inflação interna e sua regressão como nação . Por mais que o PT tente não seremos !
Que 2013 traga de fato mais transparência para todos os anteparos opacos que escondem e protegem a irresponsabilidade de por aperder mais de 20 anos de luta para tornar o brasil diferente do que foi até 1990.
Contabilidade Criativa é no mínimo anti-ética fruto de um grupo que se sustenta e pereniza aético !

 
Deixe um comentário

Publicado por em 09/01/2013 em Contexto, Economia

 

Tags: , ,